NOVAMENTE

 

Estou aqui para me redimir, e não pra nenhum de vocês rir de mim (êta trocadilhozinho infame). Vou novamente me ater ao tema Você está preparado para chegar aos 71 anos de idade ?” que utilizei na crônica com o título: de volta, que publiquei anteontem.

Decidindo exercitar minha veia cômica, enumerei ali uma série de “gracinhas” produzidas  pelos humoristas de plantão em revistas e TV  e propaladas pela Internet, tudo em demérito dos idosos. Acontece que, ao examinar a acolhida dos leitores, me deparei  com o scrap (comentário) colocado ao final pelo meu filho Pedro:

 

é bem verdade que os 71 tem lá suas desvantagens como, exclusivamente, foi explicitado no texto…. só espero que futuramente o autor dedique uma crônica para exaltar as vantagens, pois a Natureza além de sábia, é justa!!!! Estaremos ansiosamente aguardando.

 

Então, falando sério, vou falar das vantagens e como se pode alcançá-las. Evidentemente, seria leviano e insano de minha parte falar por todos os seres que atingiram esta idade, assim, falarei de mim, de minha sorte e de minhas experiências.

 

Minha preparação foi basicamente feita através de viagens. Já com nove anos de idade viajei no livro “História do Brasil para Crianças” do escritor Viriato Corrêa, depois, aos 10, ganhei e devorei “A Volta ao Mundo por Dois Garotos” do Conde Henry de La Vaux. Daí em diante, depois dessas duas viagens, uma pelo passado histórico do Brasil e outra por lugares e costumes de várias partes do mundo, em clandestina viagem empreendida por Jack um garoto americano e Francinet um francesinho, criei e desenvolvi ao extremo o hábito de viajar por livros.

 

Romano Avanzini (o maninho), uma espécie de cunhado bem mais velho que eu, abriu e franquiou-me uma magnífica estante lotada de bom gosto e cultura geral. Com seu aval viajei pelo âmago da história da renascença com “O Romance de Leonardo Da Vinci” (nada a haver com o recente e fantasioso “Código da Vinci” que por sinal também li) e depois disso, foi só alegria… O autor Mika Waltari me conduziu por tempo e lugares que eu jamais poderia imaginar: Sinueh, principal protagonista do livro “O Egípcio”, me conduziu pelo processo de mumificação de faraônicos personagens; Minuto Máximo de “O Romano”, amigo de infância de Nero me pos a par das falcatruas de bastidores da Roma dos Césares; “O Etrusco”, “O Aventureiro” e eu lendo, viajando e aprendendo, inclusive a escrever. E até hoje não perdi o hábito de devanear e me transportar através da leitura de livros interessantes.

 

Aí, chego aos setenta e um. Moro sozinho e não consigo me sentir solitário. Estou sempre acompanhado das preciosas informações que venho reunindo desde a infância: autores, acontecimentos, lugares, personagens, histórias e das lembranças de pessoas que como eu apreciam saber… e saber, de pessoas entusiastas me crivando de elogios pelo conhecimento que eu aparento possuir (massageando minha vaidade). Como estar só ?

     

Não tenho patrimônio material, está aí uma vantagem. Não preciso me preocupar em protegê-lo, mantê-lo ou expandi-lo. Por outro lado, como aprendi a escrever razoavelmente,  entender de normas e direitos e me comunicar com facilidade e urbanidade, sempre acho um jeito de suprir minhas necessidades básicas, o que não deixa de ser uma vantagem extra.

 

Leis de proteção e assistência ao idoso me concedem passe livre em viagens de ônibus, urbanos e interestaduais… é mole? As pessoas, quase invariavelmente, me cedem seus lugares nas conduções e, da maneira mais elegante, sorrio, peço desculpas aos mais jovens, e assumo meu lugar nas filas prioritárias de bancos e instituições.

 

Sabem, eu ainda acho que esta história de ter lido “bagarai” muito influenciou na obtenção e desfrute dessas vantagens do homem de setenta e um. Só não sei se isto serviria de exemplo para alguém mais jovem.

 

Mas, se eu tivesse que voltar ao passado, acho que faria tudo isso…

 

novamente 

 

 

 

Esse post foi publicado em CRÕNICAS DE UM IDOSO, Crônicas de um 71. Bookmark o link permanente.

3 respostas para NOVAMENTE

  1. Joyce disse:

    Tiooooooooooo…amei o texto, acho até q daria um livro, O HOMEM DE 71…hihihihihihihi
    SEMPRE q tiver um post novo me avise 😉

  2. Pedro disse:

    Bacana.. os benefícios da leitura, sempre que possível, deveriam ser exaltado como foi escrito.. geração atrás de geração, isso tem sido esquecido e, consequentemente, nos vemos cada vez mais num mundo com muito informação e pouquíssima cultura… e quanto ao idoso, como já antecipei, tem suas vantagens 😉

  3. Republicou isso em Espaço de Jurandyre comentado:

    Terça feira, 09 de julho de 2019. Teimosamente vou “reblogar”, trazendo de volta este texto que publiquei à 11 anos atrás. Aproveitei-me do frio para fazer uma releitura do meu blog e cheguei neste “post”. Achei legal e decidi atraí-lo para sua leitura… NOVAMENTE.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s