MORRER FELIZ

Domingo, 07 de fevereiro de 2010.  Pedro Krokocz, sobrenome empolado denunciando uma ascendência polonesa ou qualquer coisa parecida, simples a extremos inimagináveis, morreu na quinta feira última. Acho que seu coração explodiu de alegria.

Em julho, Pedro completaria 67 anos. Figurinha encantadora! Se homiziava nos salões de jogo e leitura do Recanto onde, já as seis e meia da matina, antes mesmo do café, punha em ordem o acervo de revistas velhas doadas para nossa distração, limpava cinzeiros e mesas de jogos e dava uma varridinha básica.

Afinal de contas os salões e o calçadão em frente eram os locais onde ele, falante e reminiscente, nos punha a par de algumas bravatas,  glórias e decepções de sua vida passada. Exibia as mãos ainda calosas do pedreiro que havia sido, mas, sempre exaltando o carinho que esbanjava pelos irmãos, irmãs e  sobrinhos que se ainda vivos, não o visitavam.

Sentia-se um pouco injustiçado pelos órgãos governamentais que nunca reconheceram sua cidadania e a condição de trabalhador sério e devotado. Falava disso muitas vezes, não só no  seu espaço preferido mas muitas vezes, também na paradinha que dava junto ao porteiro, quando da volta do comércio onde comprava seus cigarrinhos e fazia a fezinha no bicho. Contava seus sonhos de ganhar uma graninha para ajudar, anda mais, sua irmã em visitas que ele fazia sempre que podia, entendam “Maomé não ia a montanha…”.

Aqui neste nosso Recanto existe um trabalho de assistência social, muito bem arquitetado e trabalhado por Denize Janz Costa e Silva, por cerca de quatro anos. Tão eficaz, que mesmo após sua demissão por incompetência (não dela e sim dos articuladores do fato), ficaram e funcionam como legado. Trata-se de uma tarefa de pesquisa, quase garimpo, dos direitos de cidadania dos abrigados. Jocélia, nossa atual chefe do serviço, não deixou a peteca cair e o resultado é que, dentre as inúmeras conquistas de sua obra, incluiu-se a obtenção de um certo valor em dinheiro para o nosso Pedro Krokocz.

Leitores, vocês não fazem ideia de como o fato mexeu  com nosso herói. De sopetão ele percebeu que: a) não estava só, pois haviam pessoas interessadas em sua cidadania e em seus direitos; b) que seu trabalho de toda a vida havia gerado uma pequena recompensa e c) que estava de posse de cerca de dois mil reais, com o aceno de mais seis ou sete mil reais, dinheiro que ele poderia usar nos seus sonhos, sem a cumplicidade do Jogo do Bicho. O “menino” ficou eufórico, nos bancos do calçadão junto As salas de jogo, começou a oferecer aos amigos um “agrado” para o reabastecimento do fumo e palheiros para os cigarrinhos de cada u m e a planejar uma nova visita aos parentes, agora pelo carnaval, para distribuir sua generosidade.

Foi para a sua cama, processando toda essa avalanche de euforia. Cerca das quatro da manhã – seu companheiro de quarto nos informou posteriormente – ele abriu a porta meio “choramingando” e saiu. A plantonista da noite, já no término do serviço, cerca de seis horas da manhã, assustou-se ao vê-lo sentado sozinho no pátio e ao perguntar o que havia, obteve como resposta, até sorridente, um “nada, eu só estou meio enjoado”. É gente, o coração véio não suportou tanta carga emotiva e nosso Pedro passou para o outro plano acredito que muito feliz, felicíssimo.

E a nós outros, reclamadores de plantão, cabe-nos confiar não só em Deus, mas também no fato de que ainda existem pessoas (filhos de Deus é claro) que têm o propósito de ajudar e alegria de ser ajudado. E desejar que possamos, assim…

MORRER FELIZ

 

 

     

 

  

 

Esse post foi publicado em CRÕNICAS DE UM IDOSO. Bookmark o link permanente.

4 respostas para MORRER FELIZ

  1. zenny disse:

    oi seu jura!!!sinto muito pelo seu PEDRO!!!!que lindo tudo isso que vc escreveu…cheguei a mi emocionar, com tudo,e to muito feliz em saber que o senhor esta ai firme e forte,que saudades de todos e em especial do senhor.um grande beijo!!!!

  2. Fernanda disse:

    Ola seu Jura…Emocionante seu post.Considero um privilegio morrer de felicidade.Um grande abraco

  3. eRiCa disse:

    OláFoi uma grande perda…muito emocionante o que você escreveu.Boa viagem…

  4. RICARDO disse:

    ola Jurandir, muito bonito isso tudo que vc escreveu,não sabia dessa sua facilidade em se expressar, parabéns. E que seu amigo Pedro esteja em um bom lugar. abraço Ral.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s