SÃO SEBASTIÃO…

Mais uma vez domingo. 20 de janeiro, dia de SÃO SEBASTIÃO. “São Sebastião originário de Narbonne e cidadão de Milão, foi um mártir e santo cristão, morto durante a perseguição levada a cabo pelo imperador romano Diocleciano. O seu nome deriva do grego sebastós, que significa divino, venerável. Wikipedia”.

Para a cidade – que ganhou espaços na nossa História como São Sebastião do Rio de Janeiro, uma das mais fotografadas do mundo, com seu litoral montanhoso e entrecortado proporcionando vistas deslumbrantes – existem algumas versões paras as origens do “apadroeiramento”  cedido ao Santo… Mas ele existe, e é definitivamente respeitado.

Rio de Janeiro,  segunda capital do Brasil, depois  de Salvador, foi sede do governo brasileiro de 1763 até 1960, quando Brasília  foi inaugurada.  Hoje, possui quase 6 milhões de habitantes, guarda importantes patrimônios históricos e culturais, mas a cidade tem sérios problemas urbanos que se somam desde o século XIX.

Quanto ao seu nome seria resultado de um equívoco. Por ocasião do descobrimento do Brasil, o navegador português André Gonçalves Coelho foi encarregado de fazer o reconhecimento da terra. Ele entrou na baía de Guanabara quando avistou o Pão de Açúcar, no dia 1º de janeiro de 1502, e teve a impressão de que o local era a foz de um grande rio.  

Para um carioca das antigas, torna-se difícil ignorar o SÃO SEBASTIÃO,  uma vez que, sendo padroeiro da cidade do Rio de Janeiro, proporcionou a cada um de nós feriados memoráveis.

Famílias inteiras da zona norte e oeste da cidade, se derreavam nos gramados da Quinta e do Alto da Boa Vista em animados piqueniques. Ou então eram flagrados embarcando,  as  sete da matina, na barca da Cantareira que as levariam para uma inesquecível viagem até a bucólica Ilha de Paquetá. Flautas, cavaquinhos, violões, pandeiros e atabaques acopanhando vozes nem sempre afinadas, cuidavam da “trilha sonora” durante as duas horas da travessia.

Nas cestas produzidas pelas matronas, deliciosas farofas de carne de frango e porco (com torresmos), que seriam devidamente “prestigiadas pelos farofeiros” em pratinhos de papelão acompanhadas da “limonada amiga”, doce e rala para as ciranças e adolescentes; “batizada”, para os adultos… e aí surgiu no cenário… a caipirinha.

Mas, tudo isso nos anos 50 quando a populaçao ainda não se sentia refém da violência urbana e social que vem assolando a quase totalidade das cidades de todo o planeta.  No Rio existiam favelas – “aglomerados subnormais” segundo terminologia usada pelo IBGE – como as dos  morros dos Macacos, da Formiga, dos Cabritos, do Juramento, Matriz, Vintém, São Carlos, Pindura Saia, favelas onde, misturados à população trabalhadora, imiscuíam-se malandros sim, mas nunca os traficantes,  bandidos sanguinários e milicianos de hoje, que distribuem e tocam o terror, a partir de núcleos e verdadeiros complexos como os da Rocinha, do Alemão e de grande parte da Zona Oeste Carioca e Baixada Fluminense.

Em toda a cidade – que está hoje contaminada pelo mêdo acirrado, ainda mais, pelas publicações e edições jornalísticas que teimam em exaltar o crime e a violência como matéria de capa – não se encontra quase ninguém disposto a desfrutar o SÃO SEBASTIÃO, como feriado a ser gozado daquela maneira, quase poética, descrita acima.

A curtição do feriado é, nos tempos atuais, realizada comumente, nas praias da Zona Sul, mundialmente famosas, onde se observa incrível miscigenação de povo. Raças, classes sociais, naturalidades e nacionalidades diversas conseguem se acotovelar e partilhar areia e ondas, sem nenhum pudor, critério ou atitudes preconceituosas.

images (1)Falei da cidade… e o santo? Como vem sendo cultuado?  Alem dos seus devotos da igreja católica, há que ser considerado o sincretismo religioso, profundamente enraizado na cultura popular brasileira e, nesse contexto,  nas tradições afro-brasileiras, o Orixá Oxossi,  na Umbanda  é sincretizado como São Sebastião. Oxossi é o grande Orixá das florestas e das relações entre o reino animal e vegetal. Grande caçador, comumente é representado nas florestas caçando com seu arco e flecha.

 Nada mais adequado e apropriado para um povo, cercado de florestas e montanhas, defensor da integridade dos animais e que busca , diuturnamente, estar lançando flechas virtuais contra os constantes males que o acossam. Aí se curva ao poder de …

SÃO SEBASTIÃO

Esse post foi publicado em CRÕNICAS DE UM IDOSO. Bookmark o link permanente.

3 respostas para SÃO SEBASTIÃO…

  1. Maria Clara disse:

    Viva São Sebastião e Viva o Rio de Janeiro, que continua lindo … apesar dos pesares… E Viva os Cariocas – sua simpatia e humor, tão bem traduzida pela capacidade de acolhimento dos Turistas do Mundo todo… que a beleza da paisagem sempre somam ALEGRIA.
    Muito bom ( como sempre ) seu pensar e síntese!

  2. A.C.Ferrari disse:

    Eu sou, tu és, eles São… viva o RIO de Janeiro e o seu povo exportadores de alegria. Abraço. Ferrari.

  3. marcia disse:

    oi querido , carioca sempre tem algo para ensinar e como é bom aprender com alguem mais experiente adoro essa alegria de um carioca ,tenho um tio chamado Sebastião interessante a história sobre este santo são sebastião bjs . Pode me passar o hotmail do meu amigo que postou o comentário dele em cima do meu ai o reencarnação da minha vida passada eu mereço !

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s