DESCONFORTO …

caquis

Hoje é vinte e sete de um abril, que já vai se esvaindo, por este ano de 2014, embarcado em domingo tipicamente outonal, com os caquis exuberando dentre as árvores frutíferas daqui do nosso Lar de Idosos.

Então me decidi abraçar, como tema desta crônica, a palavra DESCONFORTO, que tornou-se extremamente mágica e eficiente desde que a adotei há cerca de 13 anos. Será como dar sequência a uma outra publicação minha, ZONA DE CONFORTO, em 27.01.2012. Está evidente que me proponho a contar a história desta adoção.

Vou retirar de outro “post” de 18.08.13 um trecho que me associa a um personagem transformador de meu trajeto pela vida “…fui trabalhar no volante de uma Kombi de recepção e entrega de roupas para lavanderia. O proprietário, Lamartine Wanderley…”, pois é Lamartine, que conheci e aprendi a respeitar, era incapaz de extravasar em suas conversas palavrões ou termos chulos do linguajar popularesco.

Lembro-me de uma ocasião em um almoço tipicamente suburbano na casa do meu pai, seu concunhado, quando sentado à u´a mesa enorme na varanda, com lugar para 18 cadeiras, justificou sua grande apreciação por guaraná, isso mesmo, o refrigerante, do seguinte modo: “… gosto imensamente desse refrigerante que ingiro em grande quantidade! Se ele contivesse álcool eu viveria constantemente ébrio …”, isso de forma não afetada.

Era início dos anos sessenta, ocasião em que também conheci e convivi com seu caçula – Saulo Wanderley – adolescente boa pinta, moreno queimado e portentoso topete. Serenão, ostentava digna pose no assento da Kombi ao meu lado, quando púnhamos no trabalho de entrega e apanha de peças de vestuário tratados e a ser tratados na lavanderia da família.

Bem mais tarde, mais precisamente em fins de 2001, no Ap. de minha irmã Zélia, tornei a encontrá-lo, em um momento em que eu procedia uma tentativa de rescaldo do naufrágio de 34 anos de meu casamento, junto à mana. Mal reconheci o garotão, agora alijado do topete, naquele homem dotado de plena espiritualidade e demonstração da capacidade de entender e discutir dramas como aquele que eu vivia no momento.

O Saulo “filho de peixe”, cautelosa e formalmente selecionava as palavras com que buscava e conseguia me confortar. Uma delas, DESCONFORTO, me fascinou. Para toda a gama de sentimentos adversos como: estar irado ou p… da vida; sentir-se traído pela sorte; sofrer dor de cotovelo; acreditar-se culpado por uma m… feita; padecer de dor reumática ou unha encravada … a fórmula ideal era (e é, ainda) usar um, “sinto-me desconfortável com este, ou por aquilo”.

A fórmula torna bem mais branda a crise em que se está envolvido. Atualmente os efeitos das sucessivas cirurgias e tratamentos, aliados as quedas de temperatura têm me ocasionado grande DESCONFORTO mas, aqui no Lar existem outras causas que me fazem sentir bastante desconfortável, quase sempre ligadas à falta de respeito:

• Alguns companheiros, egressos de locais e situações mais adversas, não conseguem respeitar normas de boa vivência e reconhecimento pelo abrigo e desconsideram colegas e funcionárias (normalmente mulheres) como “família”.
• Visitantes e funcionárias(os) – mais recentemente contratadas(os) – chamam moradores, apenas de “VÔ” ou referem-se a eles como “SINHOZINHO” e nunca pelo nome.
• Agora, em ambos os casos, a ocorrência é mínima, quase insignificante, em relação ao número de moradores, visitantes e funcionários recalcitrantes e apenas mencionei para exemplificar como posso usar o termo DESCONFORTO para atenuar comportamentos inadequados.

Uma vez que a forma antônima, CONFORTO significa “Atmosfera agradável que rodeia o ser humano. Pode ser ambiente material como também ambiente emocional”.Quedo-me mais uma vez, jovem leitor, na esperança de que você, até o envelhecer consiga como eu, tentar considerar desconfortável para si, deflagrar atos e ou palavras que possa trazer para outro ser vivente – ainda que um desafeto – motivo de …

… DESCONFORTO

Esse post foi publicado em CRÕNICAS DE UM IDOSO. Bookmark o link permanente.

2 respostas para DESCONFORTO …

  1. Pedro Monçores disse:

    Como diriam os dinossauros… “não é fóssil!!!”

  2. Zelia disse:

    É realmente não é fácil!!!
    Também tenho vivenciado muitas situações de desconforto….

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s