PARADA INDIGESTA…

Quinta feira, 20 de junho de 2019. (Feriado de Corpus Christis e eu recuperei o acesso a Internet). Em minha – bem distante – juventude, ainda no Rio de Janeiro, a expressão “PARADA INDIGESTA”, (espécie de gíria) descrevia a ação de enfrentar algo ou alguém mais vigoroso que suas limitadas forças.

 Nos últimos quatro dias da semana passada fui levado a “encarar” um desses tremendos adversários entrincheirados em minhas vísceras.

Fui acometido de repentina, violenta e insuportável dor abdominal, bem ao fim da madrugada da terça, pelo que foi convocada a presença e assistência da “Eco – Salva”. Os atendentes após exame superficial decidiram pela minha remoção para local onde pudesse ser realizado um atendimento mais completo.

A saída em ambulância na manhã de quarta, rumo a UPA (Unidade de Pronto Atendimento), do município – na companhia do Hélio – técnico de enfermagem da Casa – marcou o início da “PARADA” que se encerrou apenas na manhã de domingo, quando finalmente regressei ao Lar.

Os acontecimentos, incidentes e pessoas (comuns e profissionais) com quem dividi esses quatro dias, me fizeram refletir muito. Cada um de nós se considera vítima sempre pronto a denunciar o “agressor” —  o outro que se manifesta contra aquilo em que acredita é o “transgressor” — só que não sabendo direito em que acredita ou no que acreditar… então berra, reclama e quer justiça!

A ambulância tem num choque no trânsito — com o impacto meu acompanhante é atirado ao piso do veículo e tem uma concussão no braço e ombro direito – chegando na UPA, Hélio extrai duas guias de atendimento: a minha e a dele, como sou idoso (82 anos) e cheguei por emergência, somos logos recepcionados e encaminhados, ele toma uma injeção, retira a guia para o Raio X do braço e ombro e eu vou para as cadeiras da primeira fase de atendimento (e aguardo) da Unidade.

A dor abdominal aguarda… Afinal, a gama de pessoas a ser atendida é grande. Aí o sistema de controle informatizado, consultado indica a liberação do meu encaminhamento para segunda fase de aguardo (as poltronas). Ali recebo soro e medicamentos na corrente sanguínea até a meia-noite quando o tal sistema aloca para mim um leito na ala de atendimento (de urgência) infantil. Ali fiquei eu, com o “acesso” na veia recebendo medicamentos, até o amanhecer da quinta.

Pedro meu filho e sua moto, dividem-se entre mim e seus compromissos profissionais e domésticos então percebo que todos até ali, direta ou indiretamente envolvidos na “PARADA” solidários querem estar cooperativos, claro, dentro de suas limitações… um sonho em realização para o cronista.

Manhã de quinta. A solicitação de exame Raio X do abdome lançada no sistema, recebe o “signo on”, então uma mancha escura e de certo volume é detectada no intestino, será um tumor? Na dúvida, médicos do plantão incluem no sistema um pedido para uma tomografia, bem mais conclusiva.

Enquanto o sistema busca o “onde, como e quando” do novo exame solicitado, um procedimento de “flit” é realizado e com enorme sucesso remove um colossal fecaloma (bolo fecal) preso ao intestino. Um segundo Raio X, comprova o sucesso do procedimento, mas a tomografia já tinha sido pedida e registrada no sistema.

Sexta feira, saio do leito infantil, parto para uma das enfermarias da UPA onde passo a noite até que dia seguinte (sábado) a ambulância e equipe da unidade, sob a orientação do sistema conduz a mim para o centro de tomografia da Cruz Vermelha e, aproveitando a viagem leva uma paciente ao Hospital do Trabalhador.

O piloto da viatura manda bem contra o trânsito, e eu me abraço com as laterais da maca, na ida e na volta. A imagem da tomografia é lançada diretamente para visualização no sistema ; o laudo médico chegaria dia seguinte e, quando é conhecido, fala da presença de um hematoma… e causa incertezas na avaliação médica da Dra. Luana, na UPA. Tudo bem leitores, o hematoma foi apenas a marca das laterais da maca contra uma de minhas ancas, percebemos depois.

minhaânsiaSentindo a falta de minhas “netinhas” do Recanto, porém incessantemente coberto pelo sistema, deduzo que de resto tudo tranquilo e solucionado permitindo minha alta no domingo, tremendamente reconhecido a todos os que comigo participaram e dividiram essa…

…PARADA INDIGESTA.

SeujuradoRecanto – jurandyr@moncores.com.br – whatzapp: 99154-0669

Esse post foi publicado em CRÕNICAS DE UM IDOSO. Bookmark o link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s